Desfile na Passarela Chico Coimbra tem participação de blocos e segundo grupo de escolas de samba

Comentários 0

Programação da passarela Chico Coimbra

Dia 24 de fevereiro (segunda-feira), a partir das 18h.

– Tenda do Tambor, com Tambor de Crioula Proteção Mirim II, Tambor de Crioula Tapera e Tambor de Crioula Um Canto de Amor a São Luís.

Desfile dos Blocos Organizados

  • 19h às 19h15 – Mocidade de Fátima
  • 19h20 às 19h35 – Canto Quente
  • 19h40 às 19h55 – Unidos da Vila Embratel II
  • 20h às 20h15 – Pau Brasil
  • 20h20 às 20h35 – Turma do Saco
  • 20h40 às 20h55 – Dragões da Madre Deus

Desfile das Turmas de Samba

  • 21h às 21h15 – Ritmistas de São José de Ribamar
  • 21h20 às 21h35 – Vinagreira do Samba

Desfile das Escolas de Samba

  • 22h às 23h – Terrestre do Samba
  • 23h10 à 0h10 – Túnel do Sacavém
  • 0h20 à 1h20 – Império Serrano
  • 1h30 às 2h30 – Marambaia
  • 2h40 às 3h40 – Flor do Samba

Terrestre do Samba

(Sociedade Recreativa Terrestre do Samba)

Fundação: 17 de outubro de 1958

Sede: Rua de Cima, Estiva. São Luís

Presidente: Benedito Bulhões

Linha do tempo: Depois de participar por mais de trinta anos na segunda divisão das escolas, a agremiação com sede na zona rural de São Luís, saiu de cena para retornar no início do século XXI. Em 2012, a escola conquistou o oitavo lugar no concurso da passarela do Samba com o samba-enredo “São Luís: uma cidade de símbolos”, quando a cidade comemorava 400 anos de fundação.

 Ficha técnica

Carnavalesco: Joardson Portela

Cores: Verde, branco e amarelo

Bateria:  Mestre Leo

Mestre Sala: Anderson Dutran

Porta Bandeira: Priscilla

Samba-Enredo: “Amazonas, em busca do Eldorado”

Compositor: Luzian Filho

Puxador: Boby

Samba-enredo

Se correr o bicho pega

se ficar o bicho come

só Deus pra ajudar

afasta esse medo de mim

ensina o amor a quem

não sabe amar.

Meu Deus, desconjuro, cruz credo

sonhei que o carnaval tinha acabado

bati três vezes na madeira

toc toc toc, está desconjurado.

Assim, com medo de tudo

só o Carnaval pra encorajar

na minha Terrestre

encontro aconchego

dou chute no medo

mando pro lado do lá.

Oxum agora veste gravata

no caldeirão da mamata

em função de corrupção.

A luta faz o feitiço que consome

e a mente passa fome

aguenta coração

desigualdade, mazelas sociais

olha aí o bicho papão.

Se correr o bicho pega

se ficar o bicho come

só Deus pra ajudar

afasta esse medo de mim

ensina o amor a quem

não sabe amar.

Quando criança

ouvia estórias de terror

agora aparece este livre condor

a intolerância tem que arrefecer

E a tal da poluição

descriminação pra quê.

Num filme de horror

Navega na mente

E o boi da cara preta

quem diria, vira urgente

Enquanto a voz

o quinto amor

a semente do mal

não vence o amor

a fé que nos une

não vai separar,

axé, amém, saravá

Túnel do Sacavém

Fundação: 21 de novembro de 1997

Sede: Rua do Campo, 10 – Túnel do Sacavém. São Luís

Presidente: Sebastião Sardinha da Cruz (Tião)

 História: Escola de samba que nasceu no bairro do Sacavém, fundada por Sebastião Sardinha. Pela ala de compositores da escola passaram nomes que deixaram seu nome encravado na história do carnaval maranhense como Escrete.

 

Ficha Técnica

Carnavalesco: Allyson Ribeiro

Cores: Verde, vermelho e amarelo

Bateria:

Mestre Sala:

Enredo: “A Túnel do Sacavém canta a “Balaiada do Maranhão”

Compositor: Allysson Ribeiro

Puxadores: Babá, Tião e Jojo

Samba-enredo

Eu sou balaio

A Túnel chegou

Ter direito a igualdade

É o que quero “sim, senhor”

Mas sou feliz, é carnaval

Pensando bem esse é um tema atual…

A Túnel vem contar a história

De lutas e glórias

Do período regencial do Brasil

Na Vila da Manga, hoje Nina Rodrigues

Eclodiu uma revolta popular.

Descontentamento, dor e sofrimento

Miséria e opressão

Desmandos maculando a política

E os reflexos da crise do algodão no Maranhão

Raimundo Gomes, o Cara preta

Libertou os prisioneiros e seu irmão

Da prisão

Manoel dos Anjos Ferreira, o balaio

Comandou a multidão.

Começa, então, a Balaiada

Envolvendo as camadas sociais

Negro Cosme e seus quilombolas

Bem te vis e liberais

Escravos, sertanejos, artesãos

Revoltados com a situação

Se unem pra tomar Caxias.

Mas o poder regencial

Nomeia Luiz Alves de Lima e Silva

Governador geral

Pra combater e ter a ordem nacional

Império Serrano

(Grêmio Recreativo Escola de Samba Império Serrano)

Fundação: 5 de outubro de 1956

Sede: Avenida Luiz Rocha, 2.358 – Monte Castelo

Presidente: Nélio Viana

Linha do tempo: Com o nome de Imperador do Samba, a escola de samba do bairro do Monte Castelo foi fundada por Antero Viana, Terezinha de Jesus Viana e Lourival Diniz, entre outros componentes. Nesse tempo, os instrumentos de percussão eram cobertos com pele de animal. Depois de um tempo a escola passou a se chamar Vassalo do Samba.

Ficha técnica

Carnavalesco: Wilson Bozó

Cores: Verde, branco e amarelo

Bateria: Furação, mestre Neilson Viana

Mestre-Sala: Raynom

Porta-Bandeira: Michele

Samba-enredo:Romarias do Maranhão, um império de fé”

Compositores: Josias Joca e Luzian Filho

Puxadores:Luan ( oficial), Lindomar, Paula e Marquinho

 

Marambaia

(Sociedade Recreativa Escola de Samba Marambaia)

Fundação: 15 de novembro de 1954

Sede: Bairro de Fátima

Presidente: Maria Célia (Celcimar Fonseca)

Linha do tempo: A escola passou a fazer parte do concurso na passarela com o enredo Igreja do Desterro, em 1979, cinco anos após ser instituído o certame entre as agremiações. É a única em que uma mulher como presidente, Dona Célia, dirige há décadas a agremiação. E assim se passaram 63 anos até a escola do Bairro de Fátima conquistar o seu primeiro título de campeã com o enredo Nordeste brasileiro, em 2018.

Ficha técnica:

Carnavalesco: Dennys Oliveira

Cores: Azul, amarelo e branco

Bateria: Mestre Benilton Ribeiro (Neguinho)

Mestre Sala:

Porta Bandeira:

Enredo: Folclore, a grande festa da tradição e cultura dos povos

Compositores: Emerson Dias, Dennys Melodia e Benedito Ribeiro (Urubuzinho)

Puxadores:

Samba-enredo: A grande festa da tradição e cultura dos povos

 Cheguei agora a festa vai começar

Canta comunidade porque vai ser

De arrepiar

Eu não saiu dela, ela não sai de mim

Eu vou sambar pra festejar

Sou a voz do povo, Marambaia

Comunidade, um elo de amor sem fim

Eu não saiu dela, ela não sai de mim

Senhor..divina luz do meu caminhar

Vou cantar…em poesia o folclore popular

Heranças culturais, sua saga, seu valor

Orgulho da sua cor

Miscigenação, índio é resistência desse chão

Nossa senhora nos dá proteção

A raça desse povo guerreiro

Se entrelaçam a cultura do mundo inteiro

Eu tenho orgulho de ser brasileiro

Axé, axé pra quem tem fé

Tem frevo em Olinda, tem arrasta pé

Cai na ginga, capoeira, vem ciranda cirandá

Sou Marambaia, sou o samba popular.

Bumba-meu-boi, meu boi bumbá

Lendas e crenças é de arrepiar

A culinária é de primeira

Pungaê, coreira

Tem divino, tem cacuriá lalaiá

É gol…grande paixão nacional

Meu bloco tradicional

É festa, é carnaval

A utopia de uma nação

De geração a geração

Preservando a cultura suas tradições

Flor do Samba

(Grêmio Recreativo Escola de Samba Flor do Samba)

 Fundação: 11 de novembro de 1939

Sede: Rua da Estrela – Largo do Desterro.

Presidente: Luiz César Maia

Linha do tempo: O início foi como um bloco de Carnaval formado por pescadores, arrumadores, estivadores, engraxates e outros moradores do bairro do Desterro. Foi Edgard de Carvalho que observando um formosa dançarina conhecida como Nega Fulô quem deu nome à escola, a segunda mais antiga de São Luís. O samba-enredo de 1979, conhecido como “Haja Deus”, é considerado o hino do carnaval maranhense. A escola tem 11 títulos de campeã. Segunda mais antiga escola de samba de São Luís, ganhou o primeiro título do concurso de escolas em 1974.

Ficha Técnica

Carnavalesco: Ítalo Fonseca

Cores: Branco, vermelho e azul

Bateria: Estrondosa, mestre By, Dudu Silva e João Sousa

Mestre Sala: Ademilton e Edson Viveiros

Porta Bandeira: Aline e Elizete Campos

Samba – Enredo: Tradição, devoção e alegria, a Flor canta as festas patrimônio imaterial do Brasil “

Os comentários estão desativados.